O esquecimento

Esquecimento, esta pode ser, dentre várias outras, manifestação do inconsciente.  Ainda que possa tratar-se de uma banalidade, de algo que estava ali por perto no pensamento à atrapalhar, pode ser algo importante e acaba por ser considerado em terapia (de base psicanalítica, no caso).

Um esquecimento pode dizer respeito à uma aproximação do conteúdo do pensamento em curso com algo que está reprimido.  Por exemplo, um sujeito programa-se para sair de casa e na hora em que vai passar pela porta percebe que esqueceu onde colocou a chave do carro.  Pois bem, ao analisar esse esquecimento, a fala do sujeito e até mesmo as desculpas que ele poderá dar para isso ter acontecido, ele poderá se dar conta de que havia uma boa razão ou para ele atrasar ou para não ir (não estava disposto a ir trabalhar, queria ficar em casa).

Nesse caso, poderíamos especular que havia o desejo de ficar em casa mas, que ele foi barrado pela necessidade de ter que trabalhar, para não ser penalizado moral e financeiramente por isso (que são elementos que podemos ligar à outras coisas ainda mais profundas).

Mas, uma advertência:  um esquecimento pode sim estar relacionado à causas orgânicas (de origem neurológica, metabólica, farmacológica, etc), por exemplo.  É por essa razão que psicólogos, psicanalistas e psiquiatras perguntam (e ainda bem que perguntam) acerca daquilo que parece óbvio, pois nem sempre o é.

Deixe seu comentário ou entre em contato comigo!!!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.