Adolescência, maternidade e paternidade tardias

O processo de envelhecimento implica em ganhos e lutos de diversas naturezas. A cada passo, a cada mudança, é preciso reelaborar as relações com os outros e até com o próprio corpo. Isso não é diferente nas relações entre os adolescentes e seus pais e nem o inverso. Não é somente a tal da “síndrome do ninho vazio”, a questão é mais ampla.

Ao longo da vida as relações pais x filhos tendem a mudar, mas e quando uma ou as duas partes não querem? Ainda que possam surgir conflitos, não é tão incomum que, disfarçadamente, fiquem ali, mais ou menos compactuando um com a neurose do outro. É um que alimenta a infantilidade e outro que não se movimenta para sair daquele lugar.

Qual o ganho disso? Ou a questão será não perder um determinado lugar? Talvez, manter-se ali… num espaço subjetivo onde tudo se conhece e onde sabe mexer os pauzinhos pra manutenção e adiar mais ainda a própria vida?

*Foto de Andrea Piacquadio no Pexels

Deixe seu comentário ou entre em contato comigo!!!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.